Esqueceu sua senha?

Insira o e-mail cadastrado que enviaremos as instruções

Quer receber as notícias do
Clubeonline em primeira mão?

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. Quero receber informações de terceiros ENVIAR Quero ver a última edição

Enviar por email

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. O nome do destinatário deve conter ao menos 2 caracteres. Digite um email válido. ENVIAR

Site oficial do
Clube de Criação

SITE OFICIAL DO
CLUBE DE CRIAÇÃO

Acesso exclusivo para
sócios corporativos:
Esqueci minha senha
Ainda não é cadastrado?
Seja Sócio do Clube de Criação

O CLUBE

LOJA

NEWSLETTER

Últimas

por Laís Prado

Cannes Lions

Cannes Lions 2017

Laura Dern: liberdade criativa no cinema e no Youtube

18
junho
2017



Duas estrelas que despontaram em eras de produção e consumo de conteúdo completamente diferentes dividiram o palco do Cannes Lions na tarde deste domingo (18). Uma é Laura Dern. Filha dos atores Bruce Dern e Diane Ladd, a atriz, diretora e produtora cresceu nos bastidores do cinema. Com dezenas de filmes no currículo, já recebeu indicações ao Oscar, ao Emmy Awards, ao SAG Awards, e venceu o Globo de Ouro. Produziu e criou "Enlightened", da HBO, entre outros cinco trabalhos em desenvolvimento na casa. Ela tem ainda três novos filmes vindo por ai. "Me sinto como se estivesse começando", afirma.

A outra é a comediante, atriz, produtora de conteúdo e Youtuber Grace Helbig. Ela atuou e produziu filmes como “Dirty 30”’ e “Electra Woman & Dyna Girl”, além de séries como “Hey USA” para a Conde Naste. Autora de best-sellers nos EUA, comanda um famoso podcast e está nas listas Variety’s New Leaders, Time’s 30 Most Influential People On The Internet, Fast Company’s 100 Most Creative People and Business, e Forbes 30 under 30. "O que era um hobby pra mim, virou profissão. E acredito que nada é definitivo. Estou sempre aberta à mudanças", destacou.

Mesmo trilhando carreiras que se fizeram em mídias tão diferentes, ambas, no fundo, sentem a mesma necessidade: de liberdade de expressão. Laura Dern lembrou que o avanço tecnológico coloca nas mãos das pessoas câmeras que lhes permitem contar histórias sem esperar que alguém pague por isso.

Por outro lado, Laura pediu aos publicitários que criem mais espaços para que os atores falem de suas causas. Ela, por exemplo, se diz envolvida com educação de meninas e mulheres e, desde que fez o papel em "Wild", cuja personagem morre de câncer de pulmão, passou a se dedicar mais à conscientização e combate à doença. "Somos plataformas e precisamos usar isso para mudar o mundo", provoca.

Laura também cutucou a imprensa: "Várias vezes quando somos entrevistados esperamos poder falar sobre nossas paixões e acabamos sempre questionados sobre coisas como algo engraçado que aconteceu no set de filmagem."


Para Grace Helbig, a liberdade criativa é essencial na conversão de engajamento. "Não adianta uma marca ou agência se apoiar no número de seguidores de um influenciador pra trabalhar com ele ou não. É preciso entender o seu estilo, sua linguagem, para que o conteúdo criado tenha autenticidade e legitimidade", disse. Ela destacou que alguns dos trabalhos mais produtivos têm um processo parecido ao de um jogo de ping pong, onde as ideias vão e voltam até chegar no resultado ideal. "Você também precisa entender a marca, assim como respeitar sua audiência." E sublinhou: "a audiência não te paga em dinheiro, ela paga com a atenção que te dá."

Durante a conversa moderada pelo head de entretenimento da Ketchum, Marcus Peterzell, Laura destacou ainda a diferença que as novas mídias geraram na relação entre as "celebridades" e o público. "No tempo dos meus pais, os atores eram inacessíveis. O contato era, no máximo, na capa de uma revista ou no 'The Tonight Show' do Johnny Carson", lembra a atriz, que enfatizou: "hoje tudo mudou". Inclusive sua carreira, que agora inclui cada vez mais a produção e a direção. "Adoro produzir e desenvolver projetos, mas minha primeira paixão vai ser sempre a atuação”, finalizou.

Leia tudo sobre o #ClubeinCannes aqui.