Esqueceu sua senha?

Insira o e-mail cadastrado que enviaremos as instruções

Quer receber as notícias do
Clubeonline em primeira mão?

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. Quero receber informações de terceiros ENVIAR Quero ver a última edição

Enviar por email

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. O nome do destinatário deve conter ao menos 2 caracteres. Digite um email válido. ENVIAR

Site oficial do
Clube de Criação

SITE OFICIAL DO
CLUBE DE CRIAÇÃO

Acesso exclusivo para
sócios corporativos:
Esqueci minha senha
Ainda não é cadastrado?
Seja Sócio do Clube de Criação

O CLUBE

LOJA

NEWSLETTER

Últimas

por Laís Prado

Cannes Lions

Cannes Lions 2017

O que quer a Oath, empresa que une AOL e Yahoo

19
junho
2017



Chega ao mercado a Oath – subsidiária da Verizon que une as operações do Yahoo (cuja aquisição se conclui nas próximas semanas) e AOL. Pela primeira vez, o CEO global Tim Armstrong falou sobre os planos da nova empresa, que seria lançada mais adiante. Um vazamento na imprensa acabou antecipando o anúncio feito nesta segunda-feira, 18, em Cannes.

Com negócios de conteúdo, plataformas e dados, a Oath tem a concorrência de Google e Facebook, que dominam o mercado digital de publicidade. Mas a empresa quer expandir sua atuação, com o fortalecimento de operações em mercados como Ásia e América Latina. Sim, o Brasil é uma prioridade para um ecossistema que pretende atingir 2 bilhões de consumidores no mundo até 2020.

A estratégia da Oath é dividida em dois momentos, segundo Armstrong. O primeiro é deixar claro às marcas e consumidores como é o portfólio de marcas e as possibilidades da empresa. O segundo momento, previsto para daqui a um ano, é ser vista como uma empresa que utiliza esse portfólio com o objetivo comum de construir marcas no mundo digital.

“No longo prazo, temos a visão da publicidade como serviço e, dele, queremos construir relações entre marcas e consumidores, com foco no mobile. Nosso objetivo não é competir diretamente com Google e Facebook, mas abrir uma nova relação com os consumidores”, analisa. “O primeiro passo foi ouvir os anunciantes, que desejam uma relação de mais confiança no digital”, afirmou Armstrong. A declaração cutuca os concorrentes, que estiveram no epicentro de uma crise de confiança na publicidade digital.

Segundo Armstrong, se Google é automaticamente relacionado a search, e Facebook a social, a Oath quer ser relacionada a “marcas”.

E o Brasil?

A Oath nasce, segundo Armstrong, com um tamanho similar ao da Netflix, mas com planos de expansão. Tem cerca de 50 marcas de mídia (como Tech Crunch e Yahoo Finances) e de tecnologia, unidas sob a missão de entregar conteúdo e publicidade com foco em plataformas mobile. A empresa tem metas claras de obter, até 2020, um faturamento entre US$ 10 bilhões e US$ 20 bilhões, e atingir 2 bilhões de consumidores (hoje, são 1,3 bi).

Embora fale com mais empolgação sobre a região da Ásia, Armstrong enxerga o Brasil e a América Latina como as regiões em que a empresa precisa crescer – como forma de guiar os objetivos globais de ampliar receitas e consumidores conectados à Oath. “Temos que crescer e a América Latina é muito importante para nós. No Brasil, fizemos bons negócios nos últimos anos e a relação com a Microsoft foi importante para AOL. Também fomos bem com o lado Yahoo e me encontrei ontem com o Andre Izay, que fez um grande time integrado. Vamos continuar crescendo no Brasil”, afirmou John DeVine, vice-presidente de global sales and customer operations.