Esqueceu sua senha?

Insira o e-mail cadastrado que enviaremos as instruções

Quer receber as notícias do
Clubeonline em primeira mão?

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. Quero receber informações de terceiros ENVIAR Quero ver a última edição

Enviar por email

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. O nome do destinatário deve conter ao menos 2 caracteres. Digite um email válido. ENVIAR

Site oficial do
Clube de Criação

SITE OFICIAL DO
CLUBE DE CRIAÇÃO

Acesso exclusivo para
sócios corporativos:
Esqueci minha senha
Ainda não é cadastrado?
Seja Sócio do Clube de Criação

O CLUBE

LOJA

NEWSLETTER

Últimas

por Laís Prado

Entidades

Grupo de Planejamento

Entidade convida a responder pesquisa sobre assédio

11
outubro
2017



O Grupo de Planejamento de São Paulo está convidando profissionais do mercado de comunicação a responder pesquisa “Assédio: realidade, consequências e necessidade de mudança” (aqui), com o objetivo de mapear o assédio sexual e moral no mercado.

Idealizada pela entidade, em parceria com o Qualibest, o projeto promete mapear a questão para auxiliar empresas na construção de ambientes de trabalho mais positivos.

A ideia surgiu há quase um ano, no painel “E agora 3%?”, que aconteceu durante a Conferência do Grupo de Planejamento, no qual Laura Chiavonne, Ana Cortat, Gabi Terra e Carla Alzamora compartilharam com o público algumas de suas impressões sobre a 3% Conference, de Nova York.

A moderadora do painel, Ana Cortat, perguntou aos presentes quem já tinha sentido na pele a experiência do assédio e praticamente todas as mulheres que estavam na sala já haviam passado por isso.

O projeto começou, então, a ser desenhado pelo Grupo de Planejamento de São Paulo, encabeçado por Renata D’Avila, atual presidente do Grupo, e pelos conselheiros Ana Cortat, Ken Fujioka e Ulisses Zamboni. A realização da pesquisa, que promete trazer em números essa realidade, é o primeiro passo da iniciativa. Num segundo momento, a proposta é que ações práticas para combater o assédio sejam desenhadas.

"Estamos desenvolvendo um conteúdo que tem como objetivo dimensionar o problema e estimular diálogos que busquem encontrar e implementar soluções. Acreditamos que não exista alguém que não queira que o ambiente de trabalho seja um lugar saudável, positivo, onde as pessoas realizem todo o seu potencial sem insegurança ou medo", defende Renata d’Avila.

"Como profissionais de comunicação, temos um importante papel na criação de imaginário social, na geração de resíduo positivo e na implantação de mudanças estruturais capazes de transformar o lugar onde trabalhamos", declara Ana.

O resultado da pesquisa será apresentado durante a Conferência do GP no dia 15 de novembro. O projeto buscará apoio de entidades e outros grupos do setor para propor caminhos e soluções e realizar debates sobre o tema, em parceria com agências e profissionais do mercado.