Esqueceu sua senha?

Insira o e-mail cadastrado que enviaremos as instruções

Quer receber as notícias do
Clubeonline em primeira mão?

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. Quero receber informações de terceiros ENVIAR Quero ver a última edição

Enviar por email

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. O nome do destinatário deve conter ao menos 2 caracteres. Digite um email válido. ENVIAR

Site oficial do
Clube de Criação

SITE OFICIAL DO
CLUBE DE CRIAÇÃO

Acesso exclusivo para
sócios corporativos:
Esqueci minha senha
Ainda não é cadastrado?
Seja Sócio do Clube de Criação

O CLUBE

LOJA

NEWSLETTER

Últimas

por Laís Prado

Campanhas

Unruly

Os comerciais + eficazes exibidos durante o Super Bowl

08
fevereiro
2019



Quais os comerciais exibidos durante o intervalo do Super Bowl deste ano que realmente ajudaram as marcas a se conectarem com clientes em potencial? De acordo com a plataforma de vídeo Unruly, que divulgou sua lista dos filmes "mais eficazes", duas marcas de tecnologia lideram a lista: Microsoft, em primeiro lugar, e Google, em segundo.

Para elaborar o ranking, a Unruly questionou 500 espectadores, levando em consideração "métricas compostas por impacto emocional, autenticidade e intenção de compra".

"Os comerciais listados no topo da nossa lista foram considerados filmes altamente emocionais, que trazem ao público sentimentos relacionados a felicidade, espanto, orgulho e inspiração", explica Terence Scroope, diretor de insights da Unruly.

O filme "We All Win" (assista abaixo), da Microsoft, lidera a lista dos "mais eficazes", com uma pontuação de 7,5, bem acima dos 6,1 pontos de "Good Odds", da Toyota, primeiro lugar do ano passado.

"100 Billion Words" (espie abaixo), do Google, promovendo o Google Tradutor, ficou na segunda colocação, com uma pontuação de 6,7. Com 6,5 pontos, "Bad Passengers", da marca de confeitos de chocolate M&M's, conquistou a terceira posição.

Confira, na imagem abaixo, a lista dos 12 comerciais considerados "mais eficazes" do Super Bowl 2019.

Leia a matéria da Adweek na íntegra, aqui.