arrow_backVoltar

The Witcher x The Mandalorian

Netflix vê receita crescer, muda views e enfrenta Disney

22.01.20

Primeira no mundo do streaming, a Netflix chega a 167,1 milhões de assinantes globalmente. E, com um crescimento de receitas no quarto trimestre de 2019 de 31% sobre o mesmo período em 2018, a empresa anuncia ter faturado mais de US$ 20 bilhões no ano passado. Os números foram revelados na terça-feira (21).

Se no mundo, os números são animadores, nos EUA o cenário não é tão festivo. O aumento da base de assinantes não atingiu o que se esperava. No quarto trimestre, a plataforma conquistou 420 mil novos usuários. A expectativa era de 600 mil. Mas o período também foi marcado pela entrada de novos competidores, como Apple TV+ e Disney+, os dois serviços lançados em novembro. A primeira companhia já está no Brasil, enquanto a previsão da chegada da segunda por aqui é novembro.

De acordo com o New York Times, a Netflix reconhece que o Disney+ pode ter exercido um “impacto moderado” sobre o quarto trimestre. Na visão do cofundadorCEO Reed Hastings, porém, a ameaça da Disney é maior sobre a TV tradicional. "A maior parte do crescimento futuro deles está saindo da TV linear", disse ele em uma conferência com investidores após o anúncio dos lucros (veja abaixo vídeo com entrevistas com Hastings e Ted Sarandos, Chief Content Officer).

Nos EUA, a empresa conta atualmente com 61 milhões de clientes. É o serviço de streaming número 1 do mercado americano. Apesar do crescimento lento, a Netflix espera atingir 90 milhões de assinantes no país em 2020.

Internacionalmente, os resultados foram melhores. A Netflix conquistou mais 8,4 milhões de assinantes fora dos Estados Unidos no último trimestre do ano. A previsão era de sete milhões. Adições recordes vieram da América Latina, Ásia e Europa. Desse modo, a plataforma atingiu 167,1 milhões assinantes, alta de 5,5% em relação ao final de setembro.

Concorrência

Na carta aos acionistas, a Netflix faz menção aos novos players. “Muitas empresas de mídia e gigantes tecnológicas estão lançando serviços de streaming, reforçando a principal tendência de transição do entretenimento linear para o streaming. Isso está acontecendo no mundo todo e (o movimento) ainda está na fase inicial”.

O documento salienta que a companhia apostará no que sabe fazer melhor: agradar o assinante. “Acreditamos que, se fizermos isso bem, a Netflix continuará a prosperar. Como exemplo, no quarto trimestre, apesar do grande debut do Disney+ e do lançamento da Apple TV+, nossa audiência por assinante cresceu globalmente e nos EUA, na comparação ano a ano”.

Para ilustrar isso, a empresa indicou o resultado de buscas no Google relativas a quatro conteúdos de quatro plataformas. São séries que se notabilizaram nos serviços da Netflix, do Disney+, Apple TV+ e Amazon Prime Video. Entre elas, está “The Mandalorian”, que apresentou ao mundo o “Baby Yoda”, um fenômeno da internet que gerou expectativas para o Natal - ainda que não tenha dado tempo de se produzir um boneco e aproveitar o buzz alimentado pela série (leia mais aqui).

Na análise do Google Trends, mesmo com o novo e fofo personagem do universo Star Wars, a Netflix se deu melhor com... “The Witcher”, série estrelada por Henry Cavill. Houve uma natural explosão de busca por “The Mandalorian” no Google no lançamento do Disney+, com prevalência até 19 de dezembro. Mas aí aconteceu a estreia de “The Witcher” (no dia 20) e o search pela série da Netflix deu um salto sem igual (confira detalhes aqui).

É fato que o alcance do Disney+ ainda não é global, visto que está apenas em cinco países: EUA, Canadá, Holanda, Austrália e Nova Zelândia. A Netflix, entretanto, destaca que, mesmo que a presença fosse global, o feiticeiro interpretado por Cavill derrotaria o pequeno Yoda. O quadro comparativo incluiu “The Morning Show” (Apple TV+) e “Jack Ryan” (Amazon).

Conteúdo e views

The Witcher” foi citada mais de uma vez na carta aos acionistas. A Netflix afirmou que é a maior primeira temporada na história de suas séries. Nas quatro primeiras semanas de lançamento, 76 milhões de assinaturas estiveram ligadas nessa produção original. A série aumentou as vendas dos livros em que a história é baseada e também do game associado ao título, além de gerar um sucesso musical viral (a canção “Toss a Coin To Your Witcher”).

Outra novidade, anunciada nesta quarta-feira (22), é o lançamento de uma animação do feiticeiro. Com o título de "The Witcher: Nightmare of the Wolf", a produção será comandada pelos roteiristas da série, Lauren S. Hissrich e Beau DeMayo, e pelo Studio Mir, o mesmo de "A Lenda de Korra", informou a empresa via redes sociais. Não há data prevista para a animação estar no ar.

No final do ano, a companhia lançou ainda os filmes “Esquadrão 6”, com Ryan Reynolds e direção de Michael Bay (visto por 83 milhões de contas nas primeiras quatro semanas), “O Irlandês” (direção de Martin Scorsese), “Dois Papas” (dirigido por Fernando Meirelles) e “História de um Casamento”. Com essas produções, a Netflix conseguiu 24 indicações na disputa do Oscar 2020 (veja os indicados aqui).

Uma novidade sobre o conteúdo é que a empresa estabeleceu um novo sistema de views. De acordo com a Netflix, a métrica adotada agora visa compreender as diferenças de tamanho das produções, já que há filmes, documentários, curtas, séries. Antes, o sistema avaliava a audiência depois que 70% de um episódio ou de um filme fossem vistos. Pela nova métrica, a contabilização começa a partir da demonstração de que o assinante quer ver aquele conteúdo – e isso vale a partir de dois minutos em que a conta esteja consumido um determinado título.

A Netflix informou que o sistema adotado agora amplia os dados de visualização em 35%. Para comparar, pela métrica anterior, a minissérie documental “O nosso Planeta” foi vista por 33 milhões de contas. No novo sistema, a audiência passou a 45 milhões. Os dados de “The Witcher” e “Esquadrão 6” divulgados pela empresa já foram estabelecidos pela nova metodologia, que a Netflix reporta ser semelhante a da BBC iPlayer.

Disney+ antecipa estreia na Europa

Enquanto a Netflix celebra os números da audiência, o Disney+ se prepara para antecipar a concorrência com a plataforma no mercado europeu. Antes, os planos da companhia indicavam que o serviço seria iniciado na Alemanha, Espanha, França, Itália e Reino Unido no dia 31 de março. Agora, “The Mandalorian” e outras produções poderão ser vistas nesses países no dia 24 de março.

 

Lena Castellón

The Witcher x The Mandalorian

Netflix vê receita crescer, muda views e enfrenta Disney

/