Esqueceu sua senha?

Insira o e-mail cadastrado que enviaremos as instruções

Quer receber as notícias do
Clubeonline em primeira mão?

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. Quero receber informações de terceiros ENVIAR Quero ver a última edição

Enviar por email

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. O nome do destinatário deve conter ao menos 2 caracteres. Digite um email válido. ENVIAR

Site oficial do
Clube de Criação

SITE OFICIAL DO
CLUBE DE CRIAÇÃO

Acesso exclusivo para
sócios corporativos:
Esqueci minha senha
Ainda não é cadastrado?
Seja Sócio do Clube de Criação

O CLUBE

LOJA

NEWSLETTER

Últimas

por Laís Prado

Campanhas

Thousands of Ways to Say Yes

Saatchi LA treina Watson para criar para Toyota

19
maio
2017



Depois de passar entre dois e três meses treinando o Watson, da IBM, a juntar frases coerentes, a Saatchi LA apresenta a campanha "Thousands of Ways to Say Yes", escrita pelo supercomputador, para promover o Mirai, carro movido a hidrogênio da Toyota.

Para atingir os entusiastas da tecnologia e da ciência - um público propenso a querer comprar o modelo - foram desenvolvidos milhares de roteiros, com mensagens criadas com base nos interesses desse target. A comunicação divulga o modelo por meio de pequenos videoclipes, que começaram a ser exibidos no Facebook.

"Quando começamos a olhar para quem que ia se interessar por este carro, percebemos que eram pessoas que adotaram novas tecnologias - eram psicólogos, engenheiros", disse Chris Pierantozzi, ECD da Saatchi LA. "Então nós quisemos fazer uma peça para quase todo comprador potencial deste carro - uma para cada tipo de motorista Mirai."

Primeiro, a Saatchi LA escreveu 50 roteiros baseados em localização, informações comportamentais e dados que explicavam os recursos do carro, para configurar uma estrutura para a campanha. Os scripts foram então usados ​​para treinar Watson.

"Nós percebemos que não podíamos simplesmente deixá-lo tentar descobrir o viés criativo por conta própria", disse Pierantozzi. "Nós tivemos que dar orientações sobre exatamente o que queríamos, então ele teve um pouco de liberdade criativa para chegar a algumas das ideias por conta própria."

Em seguida, a inteligência artificial fez buscas pela internet, incluindo sites como YouTube e Wikipedia, para criar uma rede neural de palavras e frases sobre o que significa ser um cientista.

Conseguir que Watson juntasse uma sentença apropriada foi um desafio no início, disse Pierantozzi. A primeira tentativa resultou numa frase incoerente: “Yes, probably in this out we saw can I realized in college to cook applied into the.

Na metade do processo, o computador começou a juntar frases, mas elas ainda não estavam conectadas entre si. Assim, o último grupo de sessões de treinamento focou na coesão textual. Durante esta etapa, a Saatchi LA começou a classificar as respostas da inteligência artificial para treinar a tecnologia sobre se algo era "bom" ou "ruim".

Depois de cerca de dois meses e meio no projeto, Watson escreveu uma peça que dizia: “Yes, it’s for fans of possibility.”, um anúncio referente ao Carbono-14 que se encaixa com o público-alvo de cientistas.

A versão final incluiu frases como “Yes, it’s Mother Nature approved,” “Yes, this car is an ode to tech” e “Yes, the future is available now.

A criação foi finalmente examinada pelos redatores da Saatchi LA antes de ser aprovada.

Confira abaixo o filme voltado aos cientistas, abaixo.

Embora os outros vídeos sejam parecidos, as cópias são adaptadas a mais de 100 diferentes dados demográficos, resultando em "milhares" de pedaços de conteúdo.

Leia a matéria da Adweek na íntegra aqui.