arrow_backVoltar

Acusado de ‘romantizar a escravidão’

Ancestry decide parar de veicular comercial

22.04.19

A empresa de genealogia Ancestry retirou um filme da internet e vai parar de exibi-lo na TV, após protestos públicos que acusaram o filme de "romantizar a escravidão".

"Agradecemos o feedback que recebemos e pedimos desculpas por qualquer ofensa que o conteúdo possa ter causado", declarou a empresa em comunicado.

O comercial de 30" (assista aqui) mostra a aparente história de amor de um casal inter-racial na década de 1860. O homem branco diz a uma mulher negra que eles poderiam estar juntos do outro lado da fronteira, no Canadá. O filme foi criticado por "romantizar" a exploração sexual da época, já que muitas vezes as escravas negras eram estupradas pelos "senhores" brancos.

O filme fazia parte de um esforço maior de comunicação, que procura ilustrar como os usuários da Ancestry podem descobrir documentos que revelam o histórico oculto de sua árvore genealógica.

Trata-se do primeiro trabalho da Anomaly para a marca (leia e assista aqui).

Com AdAge.

 

Acusado de ‘romantizar a escravidão’

Ancestry decide parar de veicular comercial

/