arrow_backVoltar

Backdoor

Porta dos Fundos lança canal no México e prepara Espanha

30.07.19

O Porta Dos Fundos surgiu em agosto de 2012. Sete anos depois, a produtora dá largada a seu projeto de expansão internacional com sua operação no México. A abertura do Porta no país começou em maio, com alguns vídeos subindo no YouTube. Mas dentro de duas semanas o canal Comedy Central, da Viacom, faz um lançamento oficial ao estrear na TV esquetes do Backdoor, nome adotado pela empresa em sua versão internacional.

Esse é o primeiro passo da produtora fora do Brasil. O segundo está previsto para a Espanha ainda neste ano, conforme Gregório Duvivier, um dos fundadores do Porta dos Fundos. O desejo de internacionalização é antigo, porém ganhou corpo a partir da aquisição da produtora pela Viacom, em 2017 (a companhia adquiriu 51% da produtora). Segundo Duvivier, a escolha do México para ser o país de entrada nesse processo foi pelo sotaque mexicano ser mais facilmente aceito na porção latina do continente e também entre a comunidade latina dos Estados Unidos.

Para montar a operação na região, ele esteve na Cidade do México definindo atores e roteiristas. As histórias foram adaptadas não só para a língua como para a cultura local (acesse o canal aqui). A Espanha, segundo mercado a ser trabalhado, pode ter seu projeto apresentado na Mipcom, que acontece em outubro em Cannes. Mas a produção mexicana do Porta estará no evento, conta Duvivier.

Outro país na mira é a Inglaterra, já que há planos do Porta dos Fundos em entrar no mundo anglófono. “Deve ser pela Inglaterra, facilitando o ingresso para o mercado americano. Sou fã das séries inglesas. Já estamos vendo o projeto com interessados”, completa. Duvivier acredita que terão uma versão inglesa do Backdoor em 2020. Mais dois países atraem a atenção do grupo: o Japão (porque foram procurados) e a França, que tem um grande consumo de esquetes pela internet.

Balanço

Em evento para o mercado publicitário, realizado em São Paulo, na sede do Google, o Porta dos Fundos apresentou os resultados de 2018 e outros projetos para este ano. Um dos destaques foi o crescimento no YouTube, na comparação entre 2017 e 2018, com alta de 71% no total de inscrições no canal e 15% em views e watchtime. No Instagram, o Porta obteve um aumento de 200% no número de inscritos. E o Facebook soma agora mais de 10 milhões de seguidores.

Os sócios da empresa - além de Duvivier, estavam presentes Fábio Porchat, Antonio Tabet, João Vicente de Castro e Ian SBF - celebraram o desempenho do ano passado, que qualificaram como “muito bom”, o que gerou comentários sobre o momento sociopolítico vivido, com o grau de ironia e humor que fizeram a fama do grupo. Apesar de serem um nome conhecido já há algum tempo, a média de views se mantém elevada, sendo um milhão um desempenho básico para um vídeo que recém subiu para o canal. “São mais de dez mil views por dia”, detalhou Ian.

No Porta, os vídeos não são impulsionados e isso é ressaltado pelo grupo. No ano passado, a entrega orgânica registrou 1,8 milhões de views (média) por esquete no YouTube, 317 mil no Facebook e no Twitter e 27 mil no Instagram (somando-se stories e feed).

Em 2019, houve crescimento na visualização dos vídeos comerciais - os que têm marca. A produtora apontou que os vídeos editoriais tiveram 1,6 milhão de visualizações no primeiro trimestre. Os comerciais obtiveram 2 milhões. Em número de likes, os editoriais conquistaram 136 mil e os comerciais, 152 mil. A melhora da performance no conteúdo feito com marcas se deve também ao aumento de produção nessa área. “Estabelecemos uma meta bem agressiva”, comentou Tabet.

Para atender melhor o mercado publicitário, o Porta dos Fundos montou uma equipe de estratégia, que se junta ao time de roteiristas para discutirem um projeto de marca com profissionais das agências e do anunciante. Nessas reuniões se define se o grupo fará um único vídeo ou se será desenvolvida uma campanha inteira, se os integrantes participarão de um evento especial ou se o conteúdo criado irá para o canal do Porta ou para o canal do anunciante. “Não fazemos só esquete para internet”, reforçou Fábio.

A gente senta com todo mundo junto para desenhar a estratégia e formatar o projeto”, afirmou Tereza Gonzalez, diretora sênior da Viacom International Studios e CEO do Porta. Se for usada a plataforma do grupo, não se faz impulsionamento. Se for no canal da empresa, o impulsionamento pode ser feito. “Às vezes, faz mais sentido a marca colocar a campanha com o Porta em seus canais porque ela pode fazer um call to action”, emenda. Um exemplo de anunciante que recorreu a seu próprio canal foi a Coral.

Além das parcerias comerciais - como o case feito para a Honda e para a Nissin -, a empresa apresentou alguns de seus projetos editoriais. A Netflix terá o especial de Natal do Porta pelo segundo ano. A primeira edição, veiculada no ano passado, conseguiu atrair comentários do público americano. Na Amazon Prime Video, foi confirmada a nova temporada de Homens?, comédia de Fabio Porchat. Pelo lado comercial, anteciparam que terão um vídeo para a Disney pelo lançamento do novo filme da saga Star Wars - eles já fizeram vídeos para Vingadores: Ultimato e Capitã Marvel, duas produções da Marvel, marca que pertence ao conglomerado de mídia e entretenimento. ”Se a gente pode trabalhar com um parceiro que tem tantos cuidados quanto a Disney, qualquer marca pode fazer campanha com a gente”, diz Tabet.

 

Lena Castellón

Backdoor

Porta dos Fundos lança canal no México e prepara Espanha

/