arrow_backVoltar

43º Anuário

Rodrigo Castellari celebra criatividade como resistência

28.05.19

Adotar a criatividade como arma de resistência, frente ao período de transição pelo qual passa o mercado publicitário, que navega pelas águas do marasmo e da "zona de conforto". Esta é a proposta de Rodrigo Castellari, diretor de criação da F/Nazca Saatchi & Saatchi, que assina a direção de arte do 43º Anuário do Clube de Criação.

A intenção é que a indústria da comunicação reflita e deixe sobreviver ideias que procurem se distanciar de fórmulas pré-concebidas e da mediocridade. 

43º Anuário tem como tema "A criatividade está morta. Longa vida à criatividade" e foi lançado na noite desta terça-feira (28), na nova sede do Clube, no bairro de Pinheiros, em São Paulo.

"Vivemos um momento de transição, as coisas acontecem muito mais rapidamente, o retorno sobre as ideias é imediato, com a velocidade da conectividade, das mídias sociais. Estamos reaprendendo tudo e, talvez por isso, a propaganda está pior do que já foi. Mas encaro esse contexto com otimismo, porque a criatividade ganha ainda mais importância nesse quadro: é necessário sair da tendência de ficar no 'safe' para aparecer no meio da multidão", analisa Castellari.

Predominantemente na cor preta, traduzindo o "luto" por conta do "criativiticídio em massa", nas palavras de Castellari, o novo Anuário exalta a criatividade, ao defender que ela "floresce e se multiplica" cada vez que é "ferida", ou que sofre uma "facada" de "algoritmos, formatos, gurus, profetas, pesquisas".

"Trata-se de um convite à reflexão sobre a mudança, uma constatação de que temos que lidar com uma realidade que não vivíamos há alguns anos para viabilizar boas ideias", comenta o diretor de criação, acrescentando que, para isso, é necessário "coragem" de todos os envolvidos no processo.

"Com coragem para aprovar uma boa ideia, pode-se gastar menos e ter mais resultado. Ao sair do lugar comum, o anunciante provavelmente vai ter que fazer investimento menor versus o resultado que vai conseguir obter com o trabalho. Mas, claro, sair do 'genérico seguro' envolve um risco", pondera Fernando Nobre, presidente do Clube de Criação.

Nobre cita como exemplo de ousadia criativa que gerou excelentes resultados para marca, a premiadíssima campanha da Nike pelos 30 anos do slogan "Just Do It", com o jogador de futebol americano Colin Kaepernick (leia e veja aqui). "A comunicação levantou polêmicas, mas a empresa dobrou a aposta na ideia, mesmo depois de ter recebido críticas", lembra.

Mais uma vez, o Anuário - editado pelo Clube de Criação há 43 anos ininterruptos - procura reunir os "trabalhos corajosos" do ano.

"O medo não te deixa ir até onde você poderia ir com aquela ideia. A coragem é essencial para o desenvolvimento da criatividade", finaliza Nobre.

43º Anuário

Rodrigo Castellari celebra criatividade como resistência

/