arrow_backVoltar

CEO foragido

Ghosn deve falar nesta quarta

07.01.20

Carlos Ghosn, brasileiro e ex-presidente (agora foragido) da aliança Renault-Nissan, disse que vai falar com a imprensa nesta quarta-feira, 8, em Beirute, às 15h (horário local - cinco horas a mais do que em Brasília).

O executivo foi preso pela polícia japonesa em novembro de 2018 por ter deixado de declarar (sonegado) US$ 44 milhões de sua renda (cerca de 167 milhões de reais), e cumpria no país prisão domiciliar desde abril. A fuga cinematográfica rumo ao Líbano aconteceu no dia 29 de dezembro último. Extremamente vigiado, ele teria deixado sua mansão dentro de uma caixa de instrumento musical. Mas há versões dizendo que ele simplesmente saiu de casa a pé. "Não fugi da justiça, mas sim escapei da injustiça", teria dito o executivo, alegando ser vítima de um "sistema judicial tendencioso"

Sabendo da coletiva agendada, a Nissan se adiantou e divulgou comunicado nesta terça, 7, dizendo que "após cuidadosa investigação interna sobre o executivo, descobriu numerosos atos irregulares". Disse ainda que Ghosn está sendo investigado não apenas no Japão, mas também na França e nos Estados Unidos.

O governo japonês já pediu ao Líbano a extradição do executivo. A Nissan classificou como "extremamente lamentável" a fuga de seu ex-presidente.

Outra novidade é o pedido de prisão da esposa de Ghosn, Carole. Promotores de Tóquio a acusam de cometer perjúrio (falso testemunho).

Ghosn promoveu a fusão da Nissan com a Renault, revigorando a montadora japonesa, que estava em situação pouco confortável. Mais adiante (2016), trouxe para a aliança a Mitsubishi. Em 2017, a aliança vendeu mais de 10 milhões de carros mundo afora.

CEO foragido

Ghosn deve falar nesta quarta

/