arrow_backVoltar

Coluna do Alphen

Entre mentirosos e cândidos

02.03.20

Nos canais de maior prestígio do mercado, é comum descobrir que as agências estão atualizadas com todos os catecismos modernos.

Fazem processos criativos colaborativos (com todos, inclusive os clientes), estão organizadas em squads (ou outros formatos anti-hierárquicos), promovem design sprints (ou outros métodos criativos arejados), trabalham em processos agile (ou outros formatos rapidinhos), têm escritórios afetivos (ou pets and kids friendly, hot desk, pijama-office) e operam em redes descentralizadas (ou hubs ou qualquer termo que ajude a diminuir as responsabilidades trabalhistas).

Também pululam experiências idealizadas e alternativas de inserção profissional (que sejam apetitosas para os releases), processos seletivos psicossociais (ou aqueles que levam em consideração aptidões assintomáticas), políticas de inclusão e formação de minorias (sejam aquelas engajadas ou expiatórias de culpa) e metas de diversidade (de sexo, gênero, idade, raça e aparência, além de outros critérios científico-emocionais).

Se formos acreditar no que lemos, quase todo mundo está aparelhado técnica e culturalmente para apurar, ler, curar e analisar dados e contextos complexos (com todos os arsenais disponíveis e metodologias próprias apoiadas por anglicismos inteligentes), bem como para receber com generosidade e apetite no processo criativo inputs automatizados (dos dados, dos algoritmos e de todas as criações mercadológicas dos parceiros igualmente bambambãs de modernidades científicas).

Também ninguém mais possui ego nem dá valor à ficha técnica: só são inscritos em festivais trabalhos que realmente tiveram reverberação real (porque o que importa é a efetividade e o impacto no negócio, nos interesses dos stakeholders, na aceitação da sociedade ou no futuro da espécie, do planeta e de cosmogonias variadas).

Outro lugar-comum é que são poucas as agências que ainda dependem da mídia para remunerar-se e que quase todo mundo tem prestação de contas totalmente transparente, baseada numa relação de escopo/recursos reais e em fees de sucesso agressivos (sem falar da competição ética que nunca embute na formação de preço as rentabilidades oriundas de descontos, bônus, incentivos totalizadores, ou outras metáforas).

E, claro, todas essas evoluções do mercado são confirmadas pelos testemunhos honestos publicados nas redes sociais de seus divulgadores com afinco e até certa dose de humildade compensatória.

Em síntese, a crítica é blasfematória, e a autocrítica, suicida.

Talvez seja fruto de nossa formação cultural – segundo a qual a sinceridade é considerada um atentado ao convívio profissional – evitar o confronto com a verdade. Essa falaciosa polidez ou falsidade carinhosa é terreno fértil para a fofoca passivo-agressiva.

Mas por que o teatro continua? Somos ora cândidos, ora mentirosos, mas nunca, nunca desatualizados.

Por Fernand Alphen, coCEO da F.biz

Leia a coluna anterior do Alphen, aqui.

Coluna do Alphen

Entre mentirosos e cândidos

/