arrow_backVoltar

Google For Brasil 2019

Wi-fi gratuito e foco em informação: apostas do Google

06.06.19

Na terceira edição do Google For Brasil, evento anual que apresenta novidades e investimentos do Google, a empresa trouxe, mais uma vez, uma série de novidades com as quais pretende estimular o crescimento da base conectada no país e também visa ampliar formas seguras de navegar pela internet, fazer negócios e consumir informação de qualidade. Essas foram as tônicas dos anúncios feitos pela gigante da web nesta quinta-feira, 06, no Memorial da América Latina, em São Paulo.

Um dos destaques é o Google Station, plataforma para implantação de pontos de acesso a wi-fi de qualidade em países emergentes. O Brasil tem uma população conectada formada por 145 milhões de pessoas, mas navegar pela internet fora de casa é um complicador para muita gente que ou não tem dados para utilizar ou tem restrições de uso em função da qualidade da conexão. Por isso, a chegada do Google Station é um alento para muitos brasileiros que podem melhorar seus negócios se tiverem acesso bom e rápido. O país é o oitavo no mundo a contar com a plataforma.

A primeira cidade do Brasil a receber a novidade é São Paulo, onde foram instalados mais de 80 pontos, desde estações de trem até praças como a Silvio Romero, no Tatuapé, na Zona Leste. O projeto conta com a parceria das empresas America Net e Linktel e patrocínio do Itaú, ao menos nesta primeira fase. No mundo, existem mais de mil pontos do Google Station em países como Índia, México e Nigéria. “Até o final de 2020, nossa expectativa é que milhões de brasileiros tenham acesso à internet”, disse Fabio Coelho, presidente do Google Brasil.

Segundo ele, o país continua sendo uma forte aposta da companhia no mundo. “Mas a gente não pode tomar isso como verdade se não continuarmos investindo no Brasil”, disse. Por isso, é importante focar em acesso que funcione para toda a sociedade.

A plataforma conta com o patrocínio do Itaú neste primeiro momento, mas irá oferecer também propaganda para que o serviço possa ser mantido gratuitamente para a população. Para acessar o Google Station, o usuário verá um vídeo antes de poder navegar. Com os 80 pontos iniciais, o Google e seus parceiros vão aprender de que forma o programa poderá ser aprimorado. “O Itaú entrou agora como patrocinador por acreditar no projeto”, afirmou o presidente do Google.

Educação midiática e jornalismo

Como Coelho observou, a tecnologia vem mudando o mundo, desde a descoberta do fogo e da escrita e hoje não seria diferente. Se a missão do Google é organizar a informação, torná-la acessível é uma medida fundamental. Porém não basta fornecer acesso. Por isso, outra frente do Google é o investimento de R$ 4 milhões no EducaMídia - Programa de Educação Midiática, do Instituto Palavra Aberta. Esse aporte será feito ao longo de dois anos pelo braço filantrópico da companhia, o Google.org.

O objetivo do programa consiste em preparar professores e educadores para habilitá-los a desenvolver a capacidade de interpretação crítica de informações em crianças e adolescentes, além de estimular a nova geração a produzir conteúdos de forma responsável e a participar ativamente da sociedade. “O apoio do Google.org foi decisivo para que pudéssemos lançar um programa de âmbito nacional e com a missão de engajar e capacitar professores no processo de educação midiática”, declarou, em comunicado, Patrícia Blanco, presidente-executiva do Palavra Aberta.

Outro movimento do Google pretende fortalecer o ecossistema jornalístico. Para isso, o Google News Initiative (GNI) está investindo R$ 1 milhão em um Desafio de Inovação (para projetos que adotem novos modelos de negócios e produtos jornalísticos) e R$ 2 milhões em associações e consórcios de mídia. O GNI foi criado em março do ano passado para ajudar o jornalismo a crescer na era digital. O esforço é global e reservou um aporte de US$ 300 milhões para três anos. Até o momento, de acordo com Marco Túlio Pires, coordenador do Google News Lab no Brasil. já foram aplicados US$ 120 milhões em 70 países. No Brasil, já foram investidos R$ 30 milhões.

O Desafio de Inovação irá selecionar projetos de qualquer empresa jornalística, o que vai de veículos tradicionais a freelancers, de ONGs a startups. Ele abrange a América Latina, não apenas o Brasil. As propostas devem trazer resultados positivos para o veículo e para o ecossistema da imprensa como um todo, como projetos colaborativos apresentados por duas ou mais organizações. O site g.co/desafioGNI tem mais detalhes.

Já os R$ 2 milhões serão distribuídos entre três organizações: a Associação Brsaileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), que lidera o Comprova (que esclarece boatos) e que irá lançar um programa para desenvolvimento de jornalistas de periferias; o Instituto para Desenvolvimento do Jornalismo (Projor), que coordena o Projeto Credibilidade (consórcio de mídia para identificar jornalismo online de qualidade); e a Associação Nacional dos Jornais (ANJ), que promove webinários e conteúdos para melhorar o fluxo de trabalho e o negócio de redações.

Nesta quinta-feira, o GNI divulgou também a criação da Incubadora Jornalística de Nativos Digitais, que oferecerá mentoria e espaço físico no Google for Startups Campus, em São Paulo, para equipes que estão lançando empresas jornalísticas digitais. Ela iniciará suas atividades no final deste ano.

Google Assistente e Waze

Uma das novidades tecnológicas apresentadas no evento é o primeiro celular da categoria feature phone equipado com Google Assistente. é o KaiOS, da Positivo. Com esse aparelho, os usuários poderão acessar rapidamente informações, abrir aplicativos e controlar o telefone usando apenas a voz. Ele estará à venda até o fim de junho por R$ 279. A empresa lança ainda seu primeiro conjunto de produtos para smart home equipados com o Assistente. A linha inclui lâmpada, pluge para tomada, câmeras, sensores e alarme, com preços a partir de R$ 99.

Outro anúncio foi a parceria com a Galinha Pintadinha para oferecer experiências interativas para crianças e famílias usando Google Assistente. São três atividades na plataforma Actions on Google.

O Waze, por sua vez, informou que agora todos os parceiros do programa Waze For Cities Data podem armazenar dados gratuitamente no Google Cloud. São 190 parceiros na América Latina e 70 no Brasil. Desse modo, órgãos ligados a transporte e urbanidade poderão utilizar mais facilmente informações que permitam promover melhorias no trânsito, o que pode ser feito por meio de inteligência artificial.

Artes e futebol

O Google apresentou uma retrospectiva do pintor Candido Portinari, que terá mais de cinco mil obras digitalizadas e 15 mil cartas e documentos do arquivo pessoal do artista disponíveis em um só lugar: a plataforma Google Arts & Culture. A coleção “Portinari: o pintor do povo” foi construída em parceria com seis instituições culturais - entre elas, a Pinacoteca do Estado de São Paulo -, lideradas pelo Projeto Portinari.

E, como a Copa do Mundo de Futebol Feminino está para começar, a empresa informou que as ferramentas na busca ligadas ao esporte foram aprimoradas. Um dos novos recursos é a possibilidade de acompanhar três placares ao mesmo tempo, medida que interessa particularmente aos brasileiros, que gostam de conferir não são a performance de seu time como a do concorrente direto em um campeonato.

Lena Castellón

Google For Brasil 2019

Wi-fi gratuito e foco em informação: apostas do Google

/