arrow_backVoltar

Vídeos ‘turbinados’

Facebook aceita pagar US$ 40 mi a anunciantes por números inflados

08.10.19

O Facebook concordou em pagar a anunciantes US$ 40 milhões por um erro nas métricas fornecidas sobre vídeos postados na rede. O caso levou algumas marcas a questionarem a confiabilidade dos relatórios de métricas da rede na Justiça - ação que ficou conhecida em junho. E também provocou movimento entre os anunciantes que exigiram mais salvaguardas não apenas da plataforma comandada por Mark Zuckerberg como de outras empresas.

O valor foi revelado em um acordo estabelecido entre as partes na Califórnia nesta segunda-feira, 07, informa AdAge. O processo partiu de uma ação coletiva que questionou erros em métricas fornecidas por um período de 18 meses entre 2015 e 2016. Segundo essa ação, 1,35 milhão de anunciantes podem ter sido impactados.

O erro de medição foi apontado pelo Facebook em 2016. Uma fórmula mal elaborada foi usada para calcular a média de tempo que as pessoas passavam assistindo a vídeos. Os resultados indicavam que tinham uma audiência maior do que a realidade. Os profissionais da rede afirmaram que a falha afetou somente os posts gratuitos, não os pagos.

As empresas que entraram na ação alegaram que os números inflados os levaram a investir mais em anúncios do Facebook. Os aportes ficaram acima do que teriam feito se não tivessem sido influenciados pelas métricas alteradas, argumentaram. Depois disso, marcas pressionaram outras plataformas a verificar números. Facebook, YouTube e Twitter começaram a trabalhar com o Media Rating Council para auditar suas métricas.

Vídeos ‘turbinados’

Facebook aceita pagar US$ 40 mi a anunciantes por números inflados

/