arrow_backVoltar

Vencendo ventos contrários

Interpublic reporta crescimento, mas está atento a final do ano

23.07.19

O Interpublic Group (IPG) apresentou seu balanço do segundo trimestre nesta terça-feira, 23. Segundo o relatório, a holding teve um crescimento orgânico da receita líquida de 3%, na comparação com o mesmo período em 2018, chegando a US$ 2,1 bilhões.

O balanço, que não inclui resultados da Acxiom, empresa de data marketing cuja aquisição foi anunciada em julho do ano passado, aponta que, internacionalmente, a receita líquida subiu 6,5%, com forte influência da América Latina e do Reino Unido. Porém nos EUA o índice foi pífio: 0,6%.

Para Michael Roth, CEO do grupo, o desempenho no mercado americano se deve a algumas perdas, como a conta de publicidade do exército americano para o Omnicom e da Volkswagen América do Norte para o WPP, bem como a conta de mídia da Fiat Chrysler Automobiles da América do Norte para a Starcom do Publicis Groupe. Ele declarou que os resultados positivos envolveram diversas áreas, como PR, digital e publicidade. Nesse caso, um dos destaques foi a FCB.

No primeiro semestre, o IPG registrou alta de 4,6% no crescimento da receita líquida orgânica (lembrando que o desempenho exclui a Acxiom), em comparação com o resultado do ano anterior. Roth disse, em conferência para apresentar o balanço, que os números mostram um sólido início de ano para o grupo.

Roth afirmou, no relatório, que a holding está confiante no desempenho obtido até agora e, se o ritmo atual dos negócios for seguido, o IPG está no caminho para obter crescimento na faixa de 2% a 3% no final do ano. Porém é importante atentar para os “ventos contrários” gerados pelas perdas dos clientes mencionados acima. Eles poderão continuar soprando no segundo semestre e mesmo no primeiro trimestre de 2020, levando o grupo a considerar o período como desafiador.

O Publicis Groupe, que divulgou seu balanço recentemente (confira aqui), enfrenta seus próprios ventos contrários. O segundo trimestre teve um crescimento orgânico de 0,1%. Na América do Norte, enfrentou queda de 1,7%. A holding apontou a queda nos investimentos dos anunciantes como um dos fatores para esse desempenho. Diante dos números apresentados, o Publicis fez uma revisão do desempenho para 2019, estimando que ele será finalizado com uma receita líquida estável. Antes, o grupo francês havia projetado aumento.

O Omnicom, por sua vez, reportou queda na receita global de 3,6% no segundo trimestre. Mas seu resultado no mercado americano foi aumento de 3,4%, desempenho muito superior a de seus concorrentes na região.

Vencendo ventos contrários

Interpublic reporta crescimento, mas está atento a final do ano

/