Esqueceu sua senha?

Insira o e-mail cadastrado que enviaremos as instruções

Quer receber as notícias do
Clubeonline em primeira mão?

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. Quero receber informações de terceiros ENVIAR Quero ver a última edição

Enviar por email

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. O nome do destinatário deve conter ao menos 2 caracteres. Digite um email válido. ENVIAR

Site oficial do
Clube de Criação

SITE OFICIAL DO
CLUBE DE CRIAÇÃO

Acesso exclusivo para
sócios corporativos:
Esqueci minha senha
Ainda não é cadastrado?
Seja Sócio do Clube de Criação

O CLUBE

LOJA

NEWSLETTER

Últimas

por Laís Prado

Passaportes

As lições de Rosarito

Por Breno Costa, diretor de arte da Madre Buenos Aires

19
novembro
2012




As lições de Rosarito



Essa semana fui ver a palestra de David Droga no El Ojo de Iberoamérica desse ano, aqui em Buenos Aires, e acabei ficando pra ver a premiação. No meio de todo aquele circo armado, com gente de toda a América Latina no subsolo do Hilton (aí fica o centro de convenções do hotel) fiquei imaginando como devia ser Cannes e vendo os gritos e celebrações de cada um que subia pra receber um prêmio, me perguntando que real importancia tinha aquilo.



Então me lembrei de algo que tinha acontecido comigo esse ano. Um dos meus sonhos era ter algo inscrito em Cannes. Nesses 3 anos de Argentina, tive muita sorte e, talvez por isso ou pelo trabalho duro, finalmente meu nome aparecia pelas fichas técnicas do festival e admito que estava ansioso pensando na possibilidade de ter um leãozinho domado.



Mas exatamente durante o festival passou algo. Uma das campanhas mais populares da Argentina é a de Mamá Lucchetti, uma marca de alimentos daqui (espie um filme), um caso que todo publicitário devia conhecer. Explico isso por que graças aquela sorte que mencionei antes acabei trabalhando na agência que criou esse ícone popular e em algumas de suas campanhas. Entre outras coisas, Mamá Lucchetti tem uma página de Facebook com quase de 1.800.000 fãs (em um país de 40 milhões de pessoas), onde atua como uma mãe normal, contando suas histórias. Foi quando durante o festival uma mãe por inbox mandou uma mensagem diferente a Mamá Lucchetti:



RD: Qué bueno encontrar tu página, tengo mi hijita de casi 8 añitos, cumple el 20 de junio, tiene autismo y vos me ha ayudado mucho en sus progresos, es fanática de los Lucchetti!!! Me encantan a mi también, juntas con Rosarito, mi hijita, vimos todas las fotos de la familia y nos reímos hasta llorar, al final nos dolían la madíbula y la panza de tanto reír. hermosa publicación! Quisiera poder comprar una Mamá Lucchetti de esas que hay en la propaganda y en los supermercados. Gracias, mil gracias!



Era uma mensagem que não podia passar despercebida.

Fizemos a resposta, um vídeo onde Mamá Lucchetti dava parabéns pelo aniversário de Rosarito y uma foto autografada com ela. Tudo isso sem divulgação, não era um caso pra Cannes nem era algo pra ser capitalizado pela agência, era só uma conversa entre Rosário, sua mãe e Mamá Lucchetti.

Isso tudo passava enquanto os grandes referentes mundiais da publicidade julgavam entre tantas ideias as que tinham também meu nome.



Rosarito sem saber me deu uma grande lição. Me ensinou algo básico e simples que parece que muitos se esqueceram, que tanto um prêmio como o dinheiro não são um fim em si mesmo na nossa profissão, e sim a consequencia de um grande trabalho criativo. Disso se trata nosso trabalho, de criar esse tipo de conexão entre as marcas e as pessoas, se uma marca consegue ter esse nível de intimidade, essa relação com as pessoas, isso sim é um verdadeiro Grand Prix de qualquer festival do mundo.



Breno Costa, diretor de arte na Madre Buenos Aires