Esqueceu sua senha?

Insira o e-mail cadastrado que enviaremos as instruções

Quer receber as notícias do
Clubeonline em primeira mão?

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. Quero receber informações de terceiros ENVIAR Quero ver a última edição

Enviar por email

Seu nome deve conter ao menos 2 caracteres. O nome do destinatário deve conter ao menos 2 caracteres. Digite um email válido. ENVIAR

Site oficial do
Clube de Criação

SITE OFICIAL DO
CLUBE DE CRIAÇÃO

Acesso exclusivo para
sócios corporativos:
Esqueci minha senha
Ainda não é cadastrado?
Seja Sócio do Clube de Criação

O CLUBE

LOJA

NEWSLETTER

Últimas

por Laís Prado

Redes sociais

Pesquisa

Nova/SB avalia intolerâncias nas redes sociais

02
fevereiro
2018



A Nova/SB acaba de revelar dados da segunda edição da pesquisa "Intolerância nas Redes", realizada pela plataforma Comunica que Muda e pela Torabit.

Foram monitorados comentários entre os meses de julho e setembro de 2017, classificados a partir de dez tipos diferentes de intolerância, relacionados à aparência das pessoas, às classes sociais, à deficiências, homofobia, misoginia, política, idade/geração, racismo, religião e xenofobia.

Há um ano, a primeira edição do estudo avaliou estes mesmos tipos de menções durante três meses (leia aqui).

Este ano, houve uma queda nos comentários intolerantes: em 2016 foram registrados 500 mil, contra cerca de 220 mil menções este ano. Segundo a agência, a diferença ficou por conta da intolerância política, maioria na primeira edição (mais de 273 mil menções), que caiu para 26 mil este ano, o que "sugere cansaço para o debate político em boa parte dos internautas", avalia a Nova/SB.

Na nova edição do estudo, a intolerância com maior número de comentários foi a com relação à deficiência, com 45.873 menções, sendo 90,1% negativas. De acordo com a pesquisa, os internautas usam termos como “demente”, “retardado” e “débil mental” para atacar.

Outros tipos de intolerância com porcentagens altas de postagens negativas foram sobre idade/geração (98,4%) e religião (91,2%). Somando todo o monitoramento, 77% das menções foram consideradas negativas.

Os comentários negativos para outros tipos de preconceito caíram: no caso da homofobia, passaram de 93,9% no primeiro estudo para 59,5%, em 2017; sobre classe social, as menções negativas foram de 94,8% para 61,2%; e xenofobia, de 84,8% para 50,3%.

A maioria das postagens captada pelo estudo é do Twitter, que representa mais de 98% do levantamento. O Instagram é a rede que vem na sequência, com 1,5%. Como a maioria dos dados do Facebook não é público, boa parte dos comentários não pode ser captada.

Confira abaixo o número de menções por temas, em comparativo entre 2016 e 2017:

Tema  DADOS 2016 DADOS 2017

Deficientes 40.801  45.873

Classe social 11.256  42.347

Misoginia 79.484  35.061

Homofobia 53.126  29.407

Política 27.3752  26.621

Aparência 27.989  19.272

Racismo 32.376  14.589

Religião 7.361  2.776

Xenofobia 2.134  1.784

Idade 14.502  1.285

Abaixo, o percentual de menções por Estado:

Menções por local (UF) %

RJ 37.1

SP 18.4

MG 8.1

RS 4.5

ES 4

SC 3.5

DF 3.1

PR 3

PE 3

PA 2.9

CE 2.1

BA 2

GO 2

MA 1.1

AM 1

RN 0.7

MT 0.6

MS 0.6

RO 0.5

PI 0.4

AL 0.3

PB 0.3

RR 0.2

SE 0.2

TO 0.2

AC 0.1

AP 0.1

TOTAL 100

Leia anterior sobre o assunto, aqui.