arrow_backVoltar

Festival do Clube 2019

HOJE: Popular também é arte, no palco da Cinemateca

22.09.19

Domingo, 22, das 14h30 às 15h45, na sala GLOBO

O termo “arte popular” é muitas vezes utilizado para se referir à produção artística de pessoas que nunca frequentaram escolas especializadas nem fazem parte do mainstream do mundo da arte, mas que produzem esculturas, gravuras, pinturas e literatura de grande valor estético. Para resgatar nossas raízes culturais e valorizar a produção artesanal brasileira, o Festival do Clube 2019 vai reunir dois artistas e dois estudiosos no tema, no painel “Popular também é arte”, que acontece no segundo dia do evento (22 de setembro).

Falar sobre a arte popular é resgatar a identidade do brasileiro, algo que se tornou muito distante nos tempos atuais. Prova disso é a quantidade de pessoas que me abordam expressando o não conhecimento nesta área. Ao descobrirem o mundo da arte popular, passam a valorizá-lo, frequentando museus e consumindo nossa cultura”, diz Renan Quevedo, mediador do painel.

Pesquisador da arte popular brasileira, Renan, criou o Novos Para Nós, projeto que visa dar visibilidade à produção nacional através das mídias sociais. Ele percorreu mais de 100 mil quilômetros pelo Brasil, documentando a arte e vida de mais de 400 artesãos. “É impossível desassociar o que é produzido de quem produziu. Por isso, ao contar sobre as obras, também trago foco para o artesão, de modo a melhor compreendermos as artesanias”, explica.

A mesma preocupação em mapear os representantes do artesanato nacional guiou o trabalho de Edna Matosinho Pontes na organização do livro “Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira”. Dona da Galeria Pontes, dedicada exclusivamente à arte popular, Edna também percorreu todo o país, em busca de peças que expressassem a inventividade do povo brasileiro e a força da nossa natureza. O acervo tem obras de diversas regiões - da floresta amazônica ao pantanal mato-grossense, passando pelo serrado de Goiás e o sertão de Pernambuco. O conjunto forma um panorama da alma brasileira.

Legítimos representantes dos produtores de arte popular, o mestre artesão João das Alagoas e sua pupila, Sil da Capela, completam a mesa de debates. Mestre João foi aclamado Patrimônio Vivo do Estado e Sil é considerada por especialistas uma das mais expressivas artistas populares do Brasil. Ambos trabalham no ateliê de João, no município de Capela (a 60 km de Maceió), junto com outras oito pessoas, que transformam o barro em peças que retratam a cultura local.

Conhecido mundialmente, João das Alagoas coleciona vários prêmios nacionais e muitas de suas obras integram coleções de arte popular expostas em galerias de grandes cidades brasileiras e no exterior. Sua marca registrada são as esculturas de boi bumbá, com saias esculpidas em alto e baixo relevo, representando histórias do folclore nordestino, os casamentos sertanejos, a religiosidade e as brincadeiras infantis.

Maria Lucilene da Silva Siqueira, a Sil, trabalhou no corte de cana até os 20 anos. Sua vida mudou ao ir morar em Capela e conhecer o trabalho de mestre João. Na vivência com a modelagem do barro, desenvolveu sua própria marca: a jaqueira. Nos pés de jaca, ela retrata cenas do seu cotidiano, um trabalho que já foi exposto em museus e em galerias do Brasil e do exterior.

Parte de sua obra pode ser vista em sua conta no Instagram, onde destaca "faça arte como uma garota". Além de conquistar espaço em exposições, Sil foi parar na mídia. Foi retratada, por exemplo, em uma reportagem do Fantástico, da Globo, e em cena de novela. Mas é possível fazer mais. “Participar do Festival do Clube é uma chance de falar com um público que possivelmente não tem um contato mais profundo com a arte popular e despertar o interesse para este mundo”, resume Renan.

Leia também: "Whopper Detour, um caso de teimosia"

Veja a programação completa do Festival do Clube de Criação 2019.

SERVIÇO


Festival do Clube de Criação
Setembro, 21, 22 e 23 - 2019 - sábado, domingo e segunda-feira
Local: Cinemateca Brasileira - São Paulo - Brasil
Largo Senador Raul Cardoso, 207, Vila Clementino
Ingressos à venda (aqui). Garanta já o seu.
Hosted by: Clube de Criação
55 11 3034-3021
Facebook Clube de Criação
Twitter - @CCSPOficial
Instagram - @ClubedeCriacao
Teremos serviço de shuttle para quem quiser estacionar no Hotel Pullman Ibirapuera
Horário
: das 08h30 às 22h30
Trajeto: Pullman / Cinemateca / Pullman
Abertura dos portões e do credenciamento: sábado, domingo e segunda, às 9h

Festival do Clube 2019

HOJE: Popular também é arte, no palco da Cinemateca

/