arrow_backVoltar

Festival do Clube 2019

SEGUNDA! André Takeda e a criatividade premiada das in-house

22.09.19

Segunda, 23, das 12h35 às 13h25, na sala GLOBO

Nos últimos anos, o número de agências in-house tem crescido em todo o mundo. Nos EUA, a Association of National Advertisers (ANA) detectou em pesquisa que 78% das empresas tinham algum tipo de house agency em 2018, em comparação com 58% em 2013 e 42% em 2008. Eficiência de custo, maior propriedade no conhecimento institucional e das marcas, profissionais dedicados e agilidade na entrega são alguns fatores que estão levando gigantes do mercado a optar por manter uma estrutura interna para criar, produzir, comprar mídia ou desenvolver outros tipos de serviços de publicidade.

Se no passado essas operações poderiam ser vistas com desconfiança quando o assunto era criatividade, mais recentemente a coroação de muitas ideias desenvolvidas 100% por house agencies em festivais que celebram esse ativo testemunham que a proposta desse tipo de estrutura pode passar pela valorização do capital criativo, para que os resultados sejam alcançados de forma mais estratégica e não apenas de maneira imediata.

Para trazer luz sobre esse novo cenário a partir de sua própria experiência, André Takeda, Head of Creative Services da The Walt Disney Company Latin America, vai conversar com o público do Festival do Clube, no dia 23 de setembro. Seu painel tem o título de "‘Burning Down the House’ – de Equipe In-House a Curadores de Ideias".

"Canais de TV sempre tiveram equipes in-house. Temos necessidades diárias de comunicação e é mais eficiente ter a produção das ‘chamadas’ dentro da nossa estrutura. Mas nem sempre essas equipes têm uma pegada mais publicitária. O que a gente fez foi mudar esse perfil e a maneira como trabalhamos com marketing e programação. Óbvio que ainda produzimos ‘chamadas’ (e são centenas por mês), mas hoje podemos resolver qualquer briefing in-house", pondera Takeda.

Mais do que simplesmente ter uma house agency, André sustenta que a Disney montou "uma equipe de criativos dentro da empresa", com profissionais que brigam por ideias que gerem resultados. "É por isso que não descarto um modelo de trabalho focado na cocriação. Apesar de ter recursos para fazer tudo in-house, continuo trabalhando com agências e freelancers por projeto. Estou sempre aberto a ideias, e também acho necessária uma visão de fora de vez em quando. Por outro lado, como sou criativo, posso vender melhor os projetos dentro da companhia”, acrescenta o Head of Creative Services da Disney (que em março encerrou o processo de aquisição dos ativos de cinema e televisão da 21st Century Fox, leia aqui).

Por conta dessa batalha pelo diferencial criativo, não surpreende que ideias desenvolvidas internamente na companhia estejam abocanhando Leões, Lápis e outros troféus. No universo da TV, a equipe da gigante de mídia conquistou duas vezes o prêmio de Program Promotion Team of the Year, no New York Festivals TV & Award, por exemplo. Há alguns anos, a empresa começou a participar com mais frequência dos festivais de propaganda e já levou prêmios no Cannes Lions, Clio Awards, D&AD e El Ojo de Iberoamérica, entre outros.

Entre as conquistas recentes estão um Leão de Bronze em Cannes e um troféu de Prata no Clio, com o trabalho "Sounds of Future Ocean" (aqui e aqui), para o canal de TV por assinatura National Geographic. Para alertar o público sobre as consequências da poluição das águas, foram criadas músicas compostas por meio de sons recriados com resíduos plásticos retirados do mar, como parte da campanha para o Dia Internacional da Água, no último mês de março.

O troféu de Prata no Clio foi para "The Simpsons Predictions" (leia e veja aqui), trabalho criado in-house pela Fox de Buenos Aires para divulgar o desenho animado "Os Simpsons", exibido pelo canal de TV paga, que brinca com as famosas previsões feitas pela série. A comunicação apresenta a assinatura: "You never know what we will predict next".

"Tenho muito orgulho de como conseguimos criar novas maneiras de comunicar ‘Os Simpsons’, sempre com bons números de audiência", observa Takeda. "Também adoro o nosso projeto de legendas inclusivas para a série ‘Pose’ (leia e espie aqui), que gerou um PR enorme na América Latina, levou um Wood Pencil no D&AD e foi shortlist em Cannes nesse ano. Mas tenho mais orgulho é da equipe que montei. No Brasil, temos o Alex Mendes que trouxe Leões de Cannes para o National Geographic (com o citado 'Sounds of Future Ocean', em 2019, e com 'Green Definition' em 2018)", enumera. "E costumo dizer que nunca fiquei tão feliz profissionalmente como no dia em que uma dupla nossa de Buenos Aires (o brasileiro André Artilheiro e Federico De Michele) ganhou o Young Lions no ano passado (na categoria Digital). Foi a primeira vez que uma dupla fora de agência representou a Argentina em Cannes", comemora Takeda.

Essas e diversas outras conquistas ocorreram sob a batuta de André, que também participou do lançamento de várias marcas na empresa, como FX, Fox Premium e Fox Life. Redator por formação, o gaúcho começou a carreira em agências de Porto Alegre, como Contexto e Martins & Andrade. Atuou ainda na Publicis.

Depois de três anos trabalhando em São Paulo, em 2004 aceitou o convite para integrar a equipe in-house da Fox Networks Group Latin America, como redator sênior. Foi promovido em 2006, quando assumiu o cargo de diretor de criação e dois anos depois já respondia como diretor geral de criação da rede. Em 2012, assumiu o cargo de VP Creative Services, responsável pela comunicação de todos os canais do grupo na América Latina. Desde abril, como Head of Creative Services da The Walt Disney Company Latin America, Takeda lidera mais de 120 profissionais que criam e produzem campanhas e conteúdo para todos os canais, marcas e produtos da empresa, de Fox Channel a Disney Channel.

Escritor "precocemente aposentado", André tem duas novelas e um livro infantil publicados, no Brasil e em Portugal: "Clube dos Corações Solitários" (2001), "Cassino Hotel" (2004) e "A Menina do Castelinho de Joias" (2011). E mesmo tendo deixado a literatura, como autor, as narrativas continuam sendo uma importante matéria-prima para o redator que "mora" no Head of Creative Services que ele se tornou.

Leia também: "Arte brasileira raiz".

Aqui você confere a programação completa do Festival do Clube de Criação 2019.

SERVIÇO
Festival do Clube de Criação
Quando: Setembro, 21, 22 e 23 - 2019 - sábado, domingo e segunda-feira
Local: Cinemateca Brasileira - São Paulo – Brasil
Largo Senador Raul Cardoso, 207, Vila Clementino
Ingressos à venda (aqui). Garanta já o seu.
Hosted by: Clube de Criação
55 11 3034-3021
Facebook Clube de Criação
Twitter - @CCSPOficial
Instagram - @ClubedeCriacao
Teremos serviço de shuttle para quem quiser estacionar no Hotel Pullman Ibirapuera
Horário: das 08h30 às 22h30
Trajeto: Pullman / Cinemateca / Pullman
Abertura dos portões e do credenciamento: sábado, domingo e segunda às 9h

Festival do Clube 2019

SEGUNDA! André Takeda e a criatividade premiada das in-house

/